sábado, 1 de dezembro de 2012

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Queratocone? Qual a melhor opção ?




Queratocone é uma doença não-inflamatória degenerativa do olho na qual as mudanças estruturais da córnea a tornam mais fina e a modificam para um formato mais cónico que a sua curvatura normal.

Em estágios precoces, os sintomas da patologia confundem-se com os dum erro refractivo no entanto, com a progressão da doença, a visão deteriora, muitas vezes rapidamente. A acuidade visual piora em todas as distâncias (astigmatismo elevado) e a visão nocturna é frequentemente bastante fraca.

Outros sintomas presentes são a diferença na qualidade de visão entre os dois olhos, fotofobia, astenopia(cansaço visual) e, na maior parte dos casos, diminuição na percepção das cores.


O tratamento do queratocone visa proporcionar uma boa visão ao paciente, bem como garantir o seu conforto na utilização dos recursos que serão empregues. As alternativas de tratamento sempre são avaliadas nesta ordem: óculos, lentes de contacto, lentes de contacto RPG, semi-esclerais ou esclerais e cirurgia.

Dentro dos tratamentos cirúrgicos, o mais antigo é o transplante de córnea. Outras opções cirúrgicas são:
DALK - "Deep Anterior Lamellar Keratoplasty"
Corneal Ring Segmento Inserts (Intacs)/ Anel de Ferrara - implante de segmentos acrílicos dentro do tecido corneano . Uma vez implantados, estes segmentos diminuem a curvatura corneana na região do queratocone, promovendo uma melhora da acuidade visual compensada com óculos ou lentes de contacto.
CXL - collagen crosslinking with riboflavine
Keraflex KXL - queratoplastia termal por microondas (combinado com o CXL)


O Keraflex é um novo procedimento (o mais recente) de termoqueratoplastia. O procedimento utiliza energia de microondas dirigida a uma pequena circunferência anular na meia periferia da córnea. Este procedimento pode aplanar o cone e pode também ajudar a regularizar a córnea. Combinando este procedimento com o procedimento modificado de crosslinking de colágeno da córnea com riboflavina (vitamina B2) e raios ultravioleta, espera-se aumentar a estabilidade dos olhos assim como regularizar a sua geometria.

Embora ainda em testes clínicos nos EUA (não aprovado pela FDA), os primeiros resultados com esta tecnologia são promissores.

Para poder ver o vídeo respeitante ao funcionamento do Keraflex clique aqui.

Quanto mais cedo for diagnosticada a doença e aplicado o crosslinking (caso necessário), maior efectividade terá a estabilização do queratocone.

sábado, 3 de novembro de 2012

O Queratocone


O Queratocone é uma doença que enfraquece a córnea e, desse modo, causa um adelgaçamento da mesma. A pressão intraocular actuando sob esta córnea fina e enfranquecida causa o aumento da sua curvatura de uma forma irregular.
No Queratocone, a córnea assume uma curvatura aumentada (imagem à direita)



Esta alteração da forma da córnea causa níveis elevados de miopia e astigmatismo que, embora nas fases iniciais possam ser corrigidas por óculos ou lentes de contacto (mais frequentemente rígidas), nas fases tardias podem não ser susceptíveis de correção por estes meios e exigir tratamentos para fortalecimento da córnea como a aplicação cirúrgica de anéis intracorneanos ou a aplicação de medicação que, sob o efeito de uma luz especial (ultravioleta), consegue fortalecer a córnea e impedir o agravamento do queratocone (Cross-linking).
Em casos limite, aconselha-se o transplante de córnea, quer total (Queratoplastia Penetrante) quer parcial (Queatoplastia lamelar anterior, ou DALK).
O Queratocone é uma doença com uma componente genética importante, pelo que se aconselha a observação dos familiares.

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Olhos com Queratocone


segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Olho com Queratocone


sábado, 15 de setembro de 2012

Olho com Queratocone


sábado, 1 de setembro de 2012

Olho com Queratocone


quarta-feira, 1 de agosto de 2012

A Vida com Queratocone



Link: A Vida com Queratocone

domingo, 15 de julho de 2012

Queratocone - De Volta ao Futuro



Link: Queratocone - De Volta ao Futuro

domingo, 1 de julho de 2012

Anq - Associação Nacional do Queratocone

Contactos da Anq

Anq - Associação Nacional do Queratocone

Morada:
Estrada da Luz, 90, 4º D
1600-160 Lisboa

GPS: 38.750610,-9.172996

Telefone: 217 267 621
Fax: 217 267 621



sexta-feira, 15 de junho de 2012

sexta-feira, 1 de junho de 2012

Distribuição do Queratocone conforme a Faixa Etária

terça-feira, 15 de maio de 2012

O que é o Queratocone?

Queratocone consiste numa ectasia corneana não inflamatória e auto-limitada, caracterizada por um afinamento progressivo da porção central da córnea. À medida que a córnea se vai tornando afinada o paciente começa a ter uma redução da acuidade visual, a qual pode ser moderada ou severa, dependendo da quantidade do tecido corneano afectado.

O queratocone é dificilmente sentido pelas pessoas, pois este inicia-se, insidiosamente, como uma miopização e astigmatismo no olho. Esta patologia ocular pode evoluir rapidamente, ou, em outros casos, demorar alguns anos até o respectivo desenvolvimento. Esta doença pode afectar severamente a nossa forma de perceber o mundo, incluindo tarefas simples, como a condução de veículos, a observação das imagens de televisão ou até mesmo a leitura de um livro.

O queratocone tem o seu início, na sua generalidade, durante o período da adolescência, normalmente por volta dos 16 anos de idade, embora existam casos em que o mesmo se iniciou aos 6 anos de idade. É facto raro o seu desenvolvimento após os 30 anos de idade. O queratocone afecta homens e mulheres em igual proporção, e, em 90% dos casos, afecta ambos os olhos. Na sua maioria, a doença desenvolve-se assimetricamente: o diagnóstico da doença no segundo olho ocorre cerca de 5 anos após o diagnóstico do primeiro olho. A doença progride activamente durante um período entre 5 a 10 anos, podendo, todavia, estabilizar-se por muitos anos. Note-se que, durante o estágio activo, as mudanças poderão ser rápidas.
Quando estamos perante um estágio precoce da doença. A perda de visão poderá ser corrigida através da utilização de óculos: mais tarde o astigmatismo irregular requer correcção óptica através do uso de lentes de contacto rígidas. De facto, as lentes de contacto rígidas promovem uma superfície de refracção uniforme e, para além do mais, melhoram a visão.

O exame oftalmológico deverá ser realizado anualmente ou até mesmo durante um período inferior, e mais frequente, por forma a monitorar a progressão da doença.

Embora muitas pessoas afectadas por queratocones possam manter os hábitos de condução e leitura, o certo é que muitas sentirão uma perda da qualidade de vida, a qual é adversamente afectada.

Como é diagnosticado o queratocone?
A identificação de um queratocone moderado ou avançado é razoavelmente fácil. No entanto, importa referir que o diagnóstico de queratocone nas suas fases iniciais torna-se mais difícil, requerendo uma cuidadosa análise da história clínica do paciente, medições da acuidade visual e refracção, e ainda exames complementares realizados por instrumentação especializada. Na sua generalidade, os pacientes com queratocone têm modificações frequentes nas prescrições dos seus óculos, durante um curto período de tempo e, alem disso, os óculos já não fornecem uma correcção visual satisfatória. As refracções são também frequentemente variáveis e inconsistentes.

Os pacientes com queratocones relatam, frequentemente, situações de diplopia (visão dupla) ou poliopia (visão de vários objectos) no olho afectado, e queixam-se de visão distorcida e “enevoada” não só para a visão ao longe, mas também para a visão ao perto. Alguns referem a existência de halos nos contornos das luzes, bem como fotofobia (sensibilidade anormal à luz).

A identificação de um queratocone moderado ou avançado é razoavelmente fácil. No entanto, importa referir que o diagnóstico de queratocone nas suas fases iniciais torna-se mais difícil, requerendo uma cuidadosa análise da história clínica do paciente, medições da acuidade visual e refracção, e ainda exames complementares realizados por instrumentação especializada. Na sua generalidade, os pacientes com queratocone têm modificações frequentes nas prescrições dos seus óculos, durante um curto período de tempo e, alem disso, os óculos já não fornecem uma correcção visual satisfatória. As refracções são também frequentemente variáveis e inconsistentes.

Muitos sinais objetivos estão presentes no queratocone. A retinoscopia mostra reflexo “em tesoura”. Com o uso do oftalmoscópio direto percebe-se um sombreamento. O queratômetro também auxilia no diagnóstico. Os achados queratométricos iniciais são ausência de paralelismo e inclinação das miras. Estes achados podem ser facilmente confundidos nos casos de queratocone incipiente.

A redução da acuidade visual em um olho, devido à doença assimétrica no outro olho, pode ser um indício precoce de queratocone. Este sinal é frequentemente associado com astigmatismo oblíquo.

A topografia corneana computadorizada ou fotoceratoscopia pode fornecer um exame mais acurado da córnea e mostrar irregularidades de qualquer área da córnea. O queratocone pode resultar em um mapa corneano extremamente complexo e irregular, tipicamente mostrando áreas de irregularidades inferiormente em forma de cone, o qual pode assumir diferentes formas e tamanhos.

O diagnóstico de queratocone também pode ser feito através do biomicroscópio ou lâmpada de fenda.

Através deste instrumento o médico poderá observar muitos dos sinais clássicos do queratocone:
• Anéis de Fleischer: anel de coloração amarelo-amarronzada a verde-oliva, composto de hemossiderina depositada profundamente no epitélio circundando a base do cone.

• Linhas de Vogt: são pequenas estrias semelhantes a cerdas de pincel, geralmente verticais embora possam ser oblíquas, localizadas na profundidade do estroma corneano.

• Afinamento corneano: um dos critérios propostos para o diagnóstico de queratocone é o afinamento corneano significante maior que 1/5 da espessura da córnea. À medida que a doença progride o cone é deslocado inferiormente. O ápice do cone é geralmente a área mais afinada.

• Cicatrizes corneanas: geralmente não são vistas precocemente, porém com a progressão da doença ocorre ruptura da membrana de Bowman, a qual separa o epitélio do estroma corneano. Opacidades profundas da córnea não são incomuns no queratocone.

• Manchas em redemoinho: podem ocorrer naqueles pacientes que nunca tenham usado lentes de contato.

• Hidropsia: ocorre geralmente nos casos avançados, quando há ruptura da membrana de Descemet e o humor aquoso flui para dentro da córnea tornando-a edemaciada. Quando isso ocorre o paciente relata perda visual aguda e nota-se um ponto esbranquiçado na córnea. Hidropsia causa edema e opacificação. Caso a membrana de Descemet se regenere o edema e a opacificação diminuem. Pacientes com síndrome de Down têm maior incidência de hidropsia. O acto de coçar e friccionar os olhos deve ser evitado nestes pacientes.

• Sinal de Munson: este sinal ocorre no queratocone avançado quando a córnea protui o suficiente para angular a pálpebra inferior quando o paciente olha para baixo.

• Reflexo luminoso de Ruzutti: um reflexo luminoso projetado do lado temporal será deslocado além do sulco limbar nasal quando um alto astigmatismo e córnea cônica estão presentes.

• Pressão Intra-ocular reduzida: uma baixa pressão intra-ocular geralmente é encontrada como resultado do afinamento corneano e/ou redução da rigidez escleral.

Como se classifica o queratocone?
• Baseado na severidade da curvatura:
- Discreto: 45 dioptrias em ambos os meridianos.
- Moderado: entre 45 a 52 dioptrias em ambos os meridianos.
- Avançado: > 52 dioptrias em ambos os meridianos.
- Severo: > 62 dioptrias em ambos os meridianos.

• Baseado na forma do cone:
- Pequeno monte: forma arredondada, com diâmetro pequeno em torno de 5 mm.
- Oval: geralmente deslocado inferiormente, com diâmetro > 5 mm. É o tipo mais comumente encontrado no exame de topografia corneana.
- Globoso: quando 75 % da córnea está afetada, possui diâmetro maior que 6 mm. É também chamado queratoglobo, e é o tipo mais difícil para se adaptar lentes de contato.



Quais são as opções de tratamento disponíveis para o queratocone ?

O tratamento do queratocone depende da severidade da condição.

1. Correção óptica

Inicialmente, os óculos corrigem satisfatoriamente a miopia e astigmatismo. Entretanto, à medida que a doença progride a visão não é mais adequadamente corrigida e requer o uso de lentes de contato rígidas para promover o aplanamento corneano e fornecer uma visão satisfatória. Tardiamente, quando as lentes de contato não fornecem boa visão ou há intolerância ao uso das lentes de contato, está indicado o transplante de córnea.

2. Tratamentos cirúrgicos

Vários tipos de tratamentos cirúrgicos têm sido propostos para casos de queratocone:
• Queratoplastia penetrante: o transplante de córnea é o tratamento mais comumente realizado. Neste procedimento a córnea com queratocone é removida e então a córnea do doador é recolocada e suturada no receptor. Lentes de contato são geralmente necessárias para fornecer uma melhor acuidade visual.

• Queratoplastia lamelar: a córnea é removida na profundidade do estroma posterior, e um botão de córnea doada é suturado no local. Tal técnica é mais difícil de ser executada e a acuidade visual é inferior àquela obtida com a ceratoplastia penetrante. As desvantagens da técnica incluem vascularização e embaçamento do enxerto.

• Excimer laser: recentemente este laser tem sido usado em situações específicas com algum sucesso na remoção de placas de córnea central. Contudo o LASIK é ainda um procedimento experimental e não está claro se é apropriado para o tratamento do queratocone.


terça-feira, 1 de maio de 2012

O que é o Queratocone?


O queratocone é uma ectasia não inflamatória, auto-limitativa, da parte axial da córnea, que se caracteriza por adelgaçamento progressivo e encurtamento da córnea central. À medida que a córnea fica mais fina e encurvada, o paciente sobre diminuição de visão, moderada ou grave, consoante a extensão do tecido da córnea afectado. Tipicamente, a perda de visão pode ser corrigida, numa fase inicial, com óculos; mais tarde, o astigmatismo irregular requer a adaptação de lentes de contacto rígidas . As lentes de contacto proporcionam uma superfície de refracção uniforme, pelo que melhoram a a acuidade visual.

Quando o queratocone é diagnosticado pela primeira vez:

• As lentes de contacto acabarão por ser necessárias

• Cerca de 20% dos doentes acabam por necessitar da cirurgia da córnea

• A córnea pode fazer cicatrizes, mesmo usando lentes de contacto.

• O prognóstico é imprevisível e a evolução variável.

• A doença não provoca cegueira, mas pode comprometer a qualidade de vida, apesar de o paciente com queratocone, normalmente poder continuar a ler e a conduzir.

A incidência de queratocone na população geral é de 0.15% a 0.6%. o aparecimento do queratocone ocorre na adolescência - a idade média para o seu aparecimento é de dezasseis anos - mas existem casos em que o seu aparecimento ocorreu aos seis anos. O queratocone raramente se desenvolve depois dos trinta anos e é igualmente preponderante nos dois sexos, sendo na maioria dos casos bilaterais (nos dois olhos). Regra geral a patologia desenvolve-se assimetricamente; o seu diagnóstico no segundo olho tem lugar cerca de cinco anos depois do diagnóstico no primeiro. O processo da doença mantém-se activa durante cerca de 5 a 7 anos, podendo vir a estabilizar por muitos anos. Durante a fase activa, a alteração pode ser rápida; poderá haver necessidade de readaptar as lentes de contacto com uma periodicidade de 3 a 4 meses. A gravidez pode activar o processo da doença

domingo, 15 de abril de 2012

Doente com Queratocone

domingo, 1 de abril de 2012

Queratocone



Desenvolvimento anormal de ambas as córneas, que apresentam formas cônicas, principalmente nas partes centrais, desenvolvendo-se sem sintomas de inflamação. 

Terapias: uso de óculos com lentes fortemente tóricas, lentes de contato rígidas, perfurações no ápice corneano, enxertos de camada na córnea, transplantes são indicados quando a acuidade visual com lente de contato está menor a ponto de interferir nas atividades normais do indivíduo.

quinta-feira, 15 de março de 2012

Letra A observada por doente com Queratocone

Uma simulação de imagens múltiplas vistas por uma pessoa com ceratocone.
"... uma vela, quando observada, aparenta como ser diversas luzes, confusamente correndo uma contra a outra"

quinta-feira, 1 de março de 2012

Transplante de córnea é o último recurso no tratamento do ceratocone


A substituição da córnea, através do transplante, é o último recurso de tratamento do ceratocone, que consiste na substituição da córnea defeituosa por uma córnea doadora em boas condições.

O transplante tem um índice de cura que varia entre 80 a 90% – Modernas técnicas de transplante permitem a redução no tempo de recuperação do paciente e resultados mais satisfatórios na qualidade de visão.

Independente da idade e do uso de óculos ou lentes de contato, ou de alguma possível doença, qualquer pessoa pode ser doadora de tecidos oculares. Distúrbios de refração – como miopia, hipermetropia e astigmatismo – e outros distúrbios visuais – como catarata e glaucoma – não impedem a doação.

Qualquer pessoa pode oferecer-se para doar as córneas. Mesmo assim, os familiares do doador sempre são consultados e precisam autorizar a doação. 

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Saiba mais sobre o Ceratocone

O ceratocone tem um pico de desenvolvimento da doença na faixa etária compreendida entre o início da adolescência, até aproximadamente aos 25 anos de idade. É uma alteração da estrutura da córnea que provoca um embaçamento progressivo da visão. Esta alteração estrutural determina um encurvamento acentuado e um conseqüente afinamento da córnea. Este formato cónico da córnea induz um astigmatismo alto e irregular que distorce a imagem captada pelo olho em maior ou menor intensidade, dependendo da quantidade de tecido corneano afetado.

Nas fases iniciais da doença, muitos pacientes nem sentem a presença do ceratocone. À medida que a doença vai progredindo alguns sintomas podem ser percebidos pelo paciente:
• Refração instável (alteração do grau mais rápida do que o comum)
• Embaçamento e distorção das imagens
• Halos em torno das luzes
• Fotofobia (sensibilidade anormal à luz)


Nos casos severos, a adaptação às lentes de contato vai ficando cada vez mais difícil, algumas vezes até mesmo impossível.


Tratamento.
Existem dois tipos de tratamento para o ceratocone:

Tratamento através de correção óptica:
Na fase inicial do ceratocone o paciente consegue uma boa acuidade visual através do auxílio de óculos. À medida que a doença avança, as lentes dos óculos já não conseguem mais compensar a distorção das imagens e o paciente passa então a necessitar de lentes de contato no estágio moderado do ceratocone.


Tratamento cirúrgico:
Nos casos avançados do ceratocone, a adaptação de lentes de contato fica bastante difícil e a acuidade visual já não é satisfatória para suprir as necessidades diárias do paciente. O oftalmologista, então, faz a opção para o tratamento cirúrgico para restabelecer a visão do olho afetado e devolver ao paciente a sua capacidade de ver.


O tratamento cirúrgico mais antigo para o ceratocone é o transplante de córnea. Outra opção cirúrgica é o implante de segmentos acrílicos dentro do tecido corneano (anel de ferrara ou intacs). Uma vez implantados, estes segmentos diminuem a curvatura corneana na região do ceratocone, promovendo uma melhora da acuidade visual corrigida com óculos ou lentes de contato.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Cirurgia para Ceratocone

Hoje em dia o ceratocone tem soluções cirúrgicas que não existiam há uns anos atrás. Pensava-se que era uma patologia muito rara e os pacientes tinham, na maior parte dos casos, um diagnóstico de astigmatismo (irregular) e tinham uma 1ª opção: utilizar óculos de correcção, 2ª opção: (caso a qualidade de visão não fosse muito boa com óculos) utilizar lentes de contacto rígidas ou semi-rígidas e uma última opção (caso a córnea apresentasse alterações que impossibilitavam uma visão razoável) de transplante de córnea.

Com o advento de técnicas laser para correcção de miopia e astigmatismo foram-se fazendo topografias de córnea de forma consistente como parte dos exames pré-operatórios, tendo-se verificado que o ceratocone era uma patologia muito mas frequente do que se imaginava. Na maior parte dos casos continuava a ser uma doença de origem desconhecida e de evolução muito variável. Em outros casos eram consequência do tratamento laser, especialmente numa 1ª fase onde não se faziam topografias prévias ao tratamento.

A investigação e acompanhamento dos casos de ceratocone/ectasia de córnea passou a ser muito mais rigoroso e começaram a aparecer novos modelos de tratamento cirúrgico menos invasivos que o transplante de córnea e alguns tratamentos médicos (ex: cross-linking) que pretendem “fortalecer” os tecidos da córnea e evitar que eles se modificassem de forma a criar problemas complexos de visão.No caso do cross-linking há já muitos estudos publicados justificando o seu benefício mas não há ainda um estudo em larga escala que defina de uma forma muito clara e objectiva quais os pacientes que devem ser tratados com esta técnica e quais os resultados previsíveis.Já no que respeita a novas formas de tratamento cirúrgico, a INSERÇÃO DE ANÉIS INTRACORNEANOS é uma técnica bem estabelecida e com largos anos de estudo/experimentação. 

Durante todos estes anos houve uma evolução não só na qualidade dos anéis a inserir na córnea de modo a torná-la menos irregular, como também na técnica de introdução dos mesmos no estroma corneano. O túnel para inserção do anel é criado por um laser num tratamento inicial que demora apenas uns segundos sendo que, uns minutos mais tarde, é inserido o anel com apoio de um microscópio específico. Todo este procedimento demora menos que meia hora e a anestesia utilizada é apenas local (gotas). De seguida o paciente abandona a Clínica e é revisto no dia seguinte. Pode dizer-se que é uma técnica segura, passível de alterações e de remoção dos anéis caso o mesmo se justifique e com bons resultados. 

sábado, 21 de janeiro de 2012

Queratocone entre os finalistas a Blogue do Ano 2011


O blogue Queratocone foi nomeado pelos internautas um dos finalistas na categoria de melhor blogue de Saúde a nível nacional.

Esta eleição está a ser realizada pelo blogue Aventar e a selecção dos finalistas baseou-se na quantidade de visitas mensais de cada blogue e na opinião dos leitores. É organizada em duas fases de apuramento, na primeira seleccionam-se os cinco mais votados e na segunda vota-se o melhor blogue entre os cinco finalistas.

(1ª Fase de Votação - até 21 de Janeiro)


domingo, 15 de janeiro de 2012

Cuidados depois da cirurgia


Cuidados depois da cirurgia (pós-operatório)

domingo, 1 de janeiro de 2012

Cuidados antes da cirurgia

Cuidados antes da cirurgia (pré-operatorio)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares

Recomendamos ...