quinta-feira, 15 de junho de 2017

Transplante Vs Crosslinking


Casos muito avançados de ceratocone ainda necessitam de um transplante de córnea. Porém, hoje os transplantes são muito menos frequentes do que já foram há 10 anos, depois que o Crosslinking foi criado.
O ceratocone é uma doença com causas ainda desconhecidas, mas que pode causar impactos bastante intensos na visão. Por isso, o ideal é buscar acompanhamento médico e tratamento. Nesse sentido, o crosslinking é uma opção recomendada, pouco invasiva e que ainda ajuda a impedir a progressão da doença.
Caso ainda tenha alguma dúvida sobre o assunto, deixe nos comentários e aproveite para participar.

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Tratamentos a Laser


O laser é uma excelente alternativa para corrigir as deformidades corneanas geradas pelo ceratocone. Em um tratamento combinado de laser e Crosslinking, mapas de relevo da superfície da córnea são passados para o laser que será programado para fazer um tratamento personalizado para correção das deformidades encontradas.
Áreas mais curvas serão aplainadas, áreas mais planas encurvadas, trazendo o centro da córnea para um formato mais regular que permite uma melhor visão, possibilitando que os óculos passem a contribuir com a qualidade de visão perdida pelas distorções do ceratocone.
Após a correção do laser, o Crosslinking irá fortalecer a córnea no seu novo formato mais regular, estabilizando a evolução do ceratocone. A combinação desses dois tratamentos melhora consideravelmente a qualidade da visão e impede a progressão do ceratocone.

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Tratamentos do Ceratocone


O único tratamento que impede a progressão do ceratocone chama-se Crosslinking.
Os demais tratamentos visam amenizar as distorções criadas pelo ceratocone na córnea, buscando uma melhora na qualidade da visão.
O Crosslinking fortalece as fibras de ligação de colágeno da córnea, evitando sua deformação. Uma aplicação de Raios UltraVioleta com a Riboflavina é suficiente para a o fortalecimento das ligações das fibras de colágeno, estabilização à evolução da doença.
Os anéis intra-estromais são próteses acrílicas implantadas no interior do tecido corneano, que diminuem as deformidades criadas pelo ceratocone, melhorando a visão.

segunda-feira, 1 de maio de 2017

Coçar os Olhos piora o Ceratocone?


O ato de coçar os olhos pode induzir a essa condição porque o atrito constante com a região da córnea favorece a sua deformação, por se tratar de uma córnea mais frágil.
Existem colírios antialérgicos que amenizam a coceira e devem ser usados principalmente na primavera quando a florada de planta e flores é maior. Crianças e adolescentes alérgicos devem ser medicados para evitar o aparecimento do ceratocone.

sábado, 15 de abril de 2017

Causas do Aparecimento do Ceratocone

O ceratocone tem um fator de transmissão genética, então quem tem casos na família têm mais predisposição de desenvolver esta doença. Com frequência o ceratocone está presente em pessoas alérgicas e a sua progressão aumenta muito nos alérgicos que coçam os olhos.
Outras causas do ceratocone ainda não estão completamente definidas. Embora já se saiba que ele acontece mais frequentemente em adolescentes e jovens adultos.

sexta-feira, 31 de março de 2017

O que é o Ceratocone?


O ceratocone é uma doença que deixa a córnea menos rígida, fazendo com que ela ganhe progressivamente um formato de cone com consequente afinamento da sua espessura normal.
Como a córnea é a camada mais externa do olho, é uma lente natural responsável em focalizar as imagens na retina. A sua deformação deforma e dificulta a formação das imagens, causando astigmatismo irregular e miopia, que somente no início podem ser corrigidos por óculos.
Apesar de ser irreversível, essa condição tem tratamentos que ajudam não apenas na convivência com o problema, mas também a deter a sua progressão. 

segunda-feira, 13 de março de 2017

O que é o Ceratocone?


Ceratocone (do Grego: kerato- chifre, córnea; e konos cone), é uma doença não-inflamatória progressiva do olho na qual mudanças estruturais na córnea (que alteram sua biomecânica - resistência e elasticidade) a tornam mais fina e modificam sua curvatura normal (praticamente esférica) para um formato mais cónico. Este fenômeno de protrusão da área corneana afinada é chamado de ectasia (distensão) corneana. A principal consequência do Ceratocone é a diminuição da acuidade visual (visão) proveniente do astigmatismo irregular (distorção da imagem causada pela alteração da curvatura normal da córnea). Visão borrada, imagens fantasmas, sensibilidade à luz e presença de halos noturnos são os principais sintomas relatados pelos pacientes. Trata-se da distrofia mais comum da córnea, afetando 1 pessoa em cada 2.000, parecendo ocorrer em populações em todo o mundo, embora alguns grupos étnicos apresentam uma prevalência maior que outros. Costuma aparecer na adolescência e progredir até os 30-45 anos de vida, quando então estabiliza-se.

domingo, 15 de janeiro de 2017

Diferença de Visão com e sem Queratocone


domingo, 1 de janeiro de 2017

Tratamento do ceratocone


Hoje em dia, há tantas opções de tratamento do ceratocone que até parece surgir uma nova especialidade. A doença é resultado de uma alteração das fibras de colágeno que, progressivamente, faz com que a córnea adquira formato cônico e irregular, resultando em consequente progressão da miopia e do astigmatismo. De acordo com a National Keratoconus Foundation, nos Estados Unidos, a causa exata da doença ainda é desconhecida. Sabe-se que a genética, o ambiente (alergias, coceiras nos olhos, estresse oxidativo) e fatores hormonais desempenham um papel fundamental para o aparecimento do problema. Tanto que é muito comum durante a puberdade e pode progredir durante a gravidez. Mas também o uso incorreto de lentes de contato – bem como lentes que não transmitem oxigênio adequadamente – pode provocar ceratocone.
Visão embaçada é, geralmente, o sintoma que mais leva o paciente a recorrer a um especialista neste caso. O que, em princípio, parece um astigmatismo elevado, pode se transformar num diagnóstico de ceratocone depois de o paciente ser submetido a uma topografia corneana – exame realizado na fase inicial da doença. Em muitos casos, a doença permanece na fase mais simples, sendo tratada com o uso de óculos de grau.
Globalmente, o ceratocone atinge uma em cada duas mil pessoas, sendo que a forma mais grave pode resultar na perda da visão – exigindo transplante de córnea. Por isso, essa doença ocular preocupa tanto os médicos oftalmologistas, sendo de fundamental importância o diagnóstico precoce para interromper sua progressão e permitir um tratamento mais bem-sucedido.

Tratamentos dependem da gravidade da doença
Em resumo, há cinco fases distintas de tratamento da doença: inicial (que começa com óculos e lentes de contato), moderado e estável, moderado em evolução, avançado e avançado com opacidades (que exige transplante de córnea). Vale a pena conhecer um pouco mais do que cada tecnologia e tratamento oferecem.

Lentes de contato
Tão logo seja diagnosticada a doença, o tratamento pode ser realizado com o uso de lentes de contato ou de óculos. As lentes mais modernas oferecem melhor resultado. A híbrida tem a parte central mais rígida e a periférica gelatinosa. Já as lentes esclerais dão um resultado ainda melhor. Por terem um diâmetro grande, elas se apoiam na parte branca do olho, a esclera, oferecendo mais conforto e segurança.

Lentes intraoculares fácicas
Quando, além do ceratocone, o paciente também tem alto grau de miopia, ele pode se beneficiar muito das lentes intraoculares fácicas. Elas são implantadas no interior dos olhos e podem corrigir até 20 dioptrias (grau). Geralmente essas lentes proporcionam excelente melhora da visão a distância sem necessidade de óculos de grau ou lentes de contato. Há estudos demonstrando que praticamente 80% dos pacientes nunca mais usaram os óculos de grau mesmo tendo passado três anos após a cirurgia nos dois olhos. Alguns poucos pacientes continuaram usando óculos após a cirurgia apenas para ler.

Anéis intracorneanos
Numa fase intermediária, os anéis intracorneanos são indicados para restaurar a asfericidade da córnea, ou seja, para o seu aplainamento. Eles podem melhorar a tolerância às lentes de contato e adiar uma cirurgia. A técnica envolve a inserção de dois segmentos de arco de acrílico especial na córnea. Além da aprovação do FDA (Estados Unidos), recentemente o procedimento foi incluído pela ANVISA nos itens obrigatórios de correção por planos de saúde no Brasil.

Cross linking de colágeno
Dado que o ceratocone é uma alteração nas fibras de colágeno, o cross linking se resume à aplicação de uma vitamina chamada riboflavina (B2) na córnea que, quando exposta à luz ultravioleta a cada cinco minutos durante um total de 30 minutos, estimula novas ligações entre as moléculas de colágeno. A técnica não só endurece a parte anterior da córnea e estabiliza o ceratocone, como em alguns casos proporciona melhor visão. Trata-se de uma alternativa segura e que tem resultado em importantes benefícios para os pacientes. Mais de 100 artigos revisados de várias partes do mundo demonstraram que a efetividade do cross linking gira em torno de 93%.

Método CAP – Contour Ablation Pattern
Com esse tratamento personalizado, o cirurgião utiliza o laser Excimer precisamente controlado para esculpir a córnea e atingir o resultado ideal. Pacientes com mais de 30 anos de idade, visão estável e córneas com espessura suficiente podem se beneficiar muito do método CAP, obtendo resultados muito parecidos com a cirurgia a laser PRK (fazendo uso de óculos). Normalmente, o cross linking é associado a essa modalidade.

Transplante de córnea
O transplante de córnea é uma opção a ser considerada nos estágios mais avançados de ceratocone. Os resultados têm apresentado uma taxa de sucesso superior a 97%. O paciente pode realizar uma cirurgia a laser (LASIK ou PRK) logo após o transplante e ficar menos dependente de óculos ou lentes de contato.

Ceratoplastia lamelar profunda (DALK)
Neste caso, o transplante é realizado tomando-se o cuidado de preservar a camada interior da córnea – chamada de endotélio. Essa técnica tem se destacado por reduzir os casos de rejeição. Havendo qualquer embaçamento da visão depois do transplante, o paciente deve procurar seu médico imediatamente, porque, ainda que haja rejeição, se ela for imediatamente tratada, o paciente recupera 100% da visão.

Laser de femtossegundo
O uso do laser de femtossegundo, que utiliza pulsos de luz no lugar das lâminas de corte, vem surpreendendo tanto a classe médica quanto os pacientes, proporcionando uma cirurgia muito mais precisa e segura, além de garantir uma recuperação mais rápida para os pacientes. Essa tecnologia vem sendo bastante valorizada pelos portadores de ceratocone que desejam melhorar a visão com ou sem lentes de contato. Seu uso também já foi aprovado na realização de transplante de córnea (também conhecido como IEK). Trata-se de um dos maiores avanços na cirurgia de córnea nos últimos 30 anos.

Informação retirada daqui
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares

Recomendamos ...