quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Ceratocone: conheça este distúrbio das córneas e os possíveis tratamentos


Dificuldades em enxergar mesmo com óculos, visão distorcida e coceira nos olhos são alguns sintomas desta doença silenciosa.

Consultas periódicas, uso de lentes rígidas e não coçar os olhos ajudam pessoas com ceratocone.

Poucas pessoas sabem, mas uma visão distorcida e borrada com imagens múltiplas e até halos em torno das luzes pode ser sinal de um distúrbio mais grave nos olhos conhecido como ceratocone.  Esta doença causa uma alteração no formato da córnea, aumentando sua curvatura e ocasionando a progressão do astigmatismo.

Esta disfunção na curvatura das córneas – que ficam em formato de cone – é gradativa e irreversível. O ceratocone provoca uma diminuição da qualidade visual, deixando a percepção de imagens embaçadas e distorcidas. “Indivíduos com familiares com ceratocone são mais propensos a ter essa alteração na córnea”, explica o oftalmologista Wesley Bonafe, do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo.

Bonafe esclarece que o ceratocone costuma se manifestar no início da adolescência e, entre os principais sintomas, está dificuldade em enxergar, mesmo com o uso dos óculos. “Os portadores de ceratocone devem ser acompanhados de perto por um médico oftalmologista, com consultas frequentes para avaliar a evolução da doença”, analisa. 

Coceira nos olhos
Um dos principais conselhos dos médicos aos pacientes com ceratocone é evitar coçar os olhos. Esta ação pode aumentar a progressão da doença, piorando ainda mais a qualidade na visão. Por isso, a recomendação está no uso contínuo de colírios lubrificantes e antialérgicos que ajudam a evitar a coceira ocular. 

“O ato de coçar os olhos pode acelerar a degradação (afinamento) do estroma corneal. A córnea é divida em cinco camadas e o estroma é a camada mais grossa da córnea (cerca de 85% da espessura total). Assim acelerando a progressão do ceratocone”, explica Henock Borges Altoé, oftalmologista do Hospital Villa-Lobos.

Lentes especiais
Casos mais leves do ceratocone podem ser tratados com uso de óculos. Já as lentes de contato rígidas são indicadas para correções mais acentuadas da visão. “Como no ceratocone a córnea fica deformada e na maioria das vezes essa deformação não é regular, a lente de contato rígida quando adaptada sobre a córnea regulariza essa deformação, promovendo dessa forma uma visão mais nítida para o paciente”, analisa Altoé.

O oftalmologista ressalta que as lentes de contatos gelatinosas não conseguem regularizar a superfície da córnea porque são elaboradas com materiais maleáveis – o que mantém as irregularidades pré-existentes. “No entanto, em casos leves de ceratocone essa lente pode ser uma opção”, pondera. 

Não tem cura?
A única cura possível para o ceratocone é o transplante de córnea. Embora o astigmatismo e a miopia residuais ainda podem ser um problema.  “O transplante só é recomendado quando nenhum outro tratamento foi bem sucedido ou quando existe alguma opacidade na córnea que impeça a visão. É a última escolha de tratamento”, pondera o dr. Henock Borges Altoé. 

Além dos óculos e das lentes de contatos rígidas, o oftalmologista cita outros dois tratamentos possíveis para pessoas com ceratocone. O chamado Crosslinking, procedimento que utiliza a radiação de luz ultravioleta combinada a instilação de riboflavina. 

Este processo aumenta a rigidez do colágeno corneano, na tentativa de reduzir a progressão do ceratocone e até mesmo produzir uma leve melhora da curvatura inicial. E o implante de anel intraestromal, também conhecido como Anel de Ferrara, consiste na inserção de anéis transparentes, biocompatíveis e rígidos dentro da córnea na tentativa de reduzir sua curvatura. 

O oftalmologista Wesley Bonafe reforça que os portadores de ceratocone podem levar uma vida normal, desde que sejam acompanhados de perto e tenham a correta correção óptica. “Deve ter os cuidados com a manipulação da lente de contato para evitar complicações devido ao uso delas e sempre ter um óculos como opção”, explica. “Com as tecnologias atuais e a variedade de opções na adaptação correta de lente de contato rígida, a visão pode ser restaurada na maioria dos casos e os paciente manter uma vida normal”, completa. 

Informação retirada daqui

quarta-feira, 15 de junho de 2016

Transplante de Córnea

Casos em que o Ceratonone piore ao ponto onde a correção visual não pode ser mais atingida com óculos e lentes de contato, o afinamento da córnea se torna excessivo, ou cicatrizes corneanas resultantes do uso de lentes de contato tornam-se um problema frequente ou exista a presença de leucoma (opacificação corneana) importante, o Transplante de Córnea se torna necessário.

O Transplante de córnea é o mais bem sucedido entre os transplantes de órgãos sólidos na Medicina. Ceratocone é uma das principais causas de transplante de córnea no Brasil, mas quando adequadamente tratados, menos que 10% dos ceratocones evoluem para transplante.

O Ceratocone está entre as indicações de transplante de córnea com melhor prognóstico. Entretanto, é uma “nova vida” para o paciente e deve ser considerado como última opção.

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Transplante Lamelar de Córnea ou Ceratoplastia lamelar profunda (DALK)

Os resultados são excelentes em pacientes com ceratocone, com uma taxa de sucesso superior a 90%.

Segundo o Dr.Gustavo Bonfadini, especialista nesta técnica cirúrgica e desenvolvedor de material cirúrgico para melhorar o resultado desta técnica: “O transplante lamelar profundo é realizado, preservando-se a camada interior da córnea – chamada de endotélio. Essa técnica é importante, por diminuir a probabilidade de rejeição e melhorar os resultados quando comparada a técnica cirúrgica tradicional (Transplante Penetrante).”

sexta-feira, 15 de abril de 2016

Que condições podem estar associadas com o ceratocone?


Existe uma relação bem definida entre atopia (alergia) e ceratocone. A prevalência de doenças alérgicas como a asma, eczema, ceratoconjuntivite atópica (Alergia Ocular) é maior em pacientes com Ceratocone do que em pessoas sem Ceratocone.  

Pacientes com alergia muitas vezes são incomodados por coceira ocular, e quando possuem ceratocone e não são tratados adequadamente da alergia e nem orientados sobre o risco de coçar muito os olhos, estes pacientes podem ter uma piora da visão decorrente do ato constante de coçar os ollhos.

Existe uma associação entre a síndrome de Down e Ceratocone. Aproximadamente 5% dos pacientes com síndrome de Down apresentam sinais clínicos clássicos de ceratocone. A incidência de hidropisia aguda, condição em que a córnea fica opaca e causa dor na fase aguda, ocorre mais em pacientes com síndrome de Down.

Há relatos na literatura médica de uma associação entre o ceratocone, prolapso da válvula mitral e hipermobilidade articular. A relação entre as várias doenças do tecido conjuntivo e ceratocone sugere um defeito comum na produção do colágeno (síntese do tecido conjuntivo).

sexta-feira, 1 de abril de 2016

Qual é a causa do ceratocone?


O trauma contínuo representa o maior fator de risco para piora da doença. Com isso deve ser proibido coçar os olhos. O tratamento de alergias e a otimização da superfície ocular e tratamento do Olho Seco devem ser feitos em conjunto.  

 O Ceratocone é uma doença hereditária, não-inflamatória progressiva do olho na qual mudanças estruturais na córnea (que alteram sua biomecânica – resistência e elasticidade) a tornam mais fina e modificam sua curvatura normal (praticamente esférica) para um formato mais cônico. Este fenômeno de protrusão da área corneana afinada é chamado de ectasia (distensão) da córnea. Trata-se da distrofia mais comum da córnea, afetando 1 pessoa em cada 20.000, parecendo ocorrer em populações em todo o mundo, embora alguns grupos étnicos apresentam uma prevalência maior que outros. Costuma aparecer na adolescência e progredir até os 30-45 anos de vida, quando então estabiliza-se. Várias alterações bioquímicas foram documentadas em córneas de pacientes com ceratocone, incluindo o teor de colágeno reduzido, redução ou alteração nas moléculas de queratina, redução da quantidade de proteína total, e um aumento da atividade de degradação do colágeno associada a níveis reduzidos de inibidor de metaloproteinase de matriz da córnea. Coçar os olhos tem sido apontada como uma causa importante do ceratocone. Quando perguntado, pacientes com Ceratocone freqüentemente admitem coçar os olhos em excesso.

terça-feira, 15 de março de 2016

Sintomas do Ceratocone


Os sintomas apresentados pelo paciente com Ceratocone no início da doença são desconforto visual, dor de cabeça, fotofobia, baixa da acuidade visual e troca freqüente das lentes dos óculos. Nas fases mais adiantadas a correção visual com óculos já não resolve e as lentes de contato passam a ser a opção para correção da visão. Entretanto a tolerância às lentes é baixa e a adaptação às mesmas é difícil e às vezes, impossível.

O Ceratocone tem associação freqüente com alergia e o prurido ocular pode ser o gatilho que desencadeia a doença. Em geral, quanto mais precoce o aparecimento da doença, pior o prognóstico. Até há poucos anos o tratamento do Ceratocone consistia na prescrição de óculos ou lentes de contato e quando estes métodos não mais surtiam efeito, o Transplante de Córnea era a única solução possível. Atualmente, com o surgimento do “Cross-Link” do colágeno de córnea e do implante de Anéis Intra-corneanos (Kerarings ®, Anel de Ferrara ® ou Intacs ®), é possível recuperar estes pacientes ainda nas fases iniciais, postergando ou eliminando a necessidade do Transplante de Córnea

O Ceratocone provoca afinamento e deformação da córnea, tornando-a pontuda em formato de cone, gerando diminuição da visão e distorção das imagens, por isso, muitas vezes é diagnosticado erroneamente como miopia ou astigmatismo irregular (distorção da imagem causada pela alteração da curvatura normal da córnea). É uma doença de evolução lenta, geralmente bilateral e de causa desconhecida, que se inicia entre 10 e 22 anos de idade, evoluindo até 35 a 40 anos.
Por isso, ao verificar estes sintomas, o oftalmologista deve solicitar exame de imagem como a Topografia de córnea, (direcionar para a página dos exames, com o cursor na altura do exame: topografia de córnea) que irá fornecer informações adicionais, ajudando em um diagnóstico mais preciso. O diagnóstico inicial vai ser acompanhado da necessidade de usar óculos. Num segundo momento, quando os óculos já não corrigem suficientemente, passa-se para o uso de lentes de contato rígidas.  

terça-feira, 1 de março de 2016

O que é o Ceratocone?


Se você tem ou conhece alguém que esteja com a visão borrada, embaçada e distorcida tanto na visão de perto quanto na visão de longe é bom prestar atenção. Sintomas como visão borrada, imagens fantasmas, presença de halos noturnos, diplopia (visão dupla) ou poliopia (percepção de várias imagens de um mesmo objeto), halos em torno das luzes, fotofobia (sensibilidade excessiva à luz) e coceira excessiva podem ser sintomas de uma doença ocular chamada Ceratocone, que é muito mais comum do que se imagina.

Muitos pacientes assustam-se com o diagnóstico de Ceratocone no consultório. Ao contrário do que se pensa, o Ceratocone é uma doença que pode ser controlável, e pode ser bem manuseada em suas diversas fases. As pessoas que possuem ceratocone não devem ficar apreensivas, pois geralmente são obtidos bons resultados com os vários tipos de abordagens. O Ceratocone é uma doença da córnea de etiologia discutida, hereditária, que acomete o adolescente ou adulto jovem e se caracteriza por um afinamento e deformação progressiva da córnea, transformando-a em uma córnea fina, o que leva ao aparecimento de miopia e elevado grau de astigmatismo  irregular e acentuada baixa da acuidade visual.  

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Transplante de Endotélio


Nos últimos anos os avanços das modernas técnicas de Transplante de Córnea, revolucionaram o modo como encaramos o transplante, alterando substancialmente as indicações destes procedimentos.

Estas mudanças estão representadas pela tendência mundial de substituir a parte doente da córnea, preservando as estruturas sadias da córnea do paciente.

Os Transplantes Lamelares Profundos difundiram-se, sobretudo nos casos de Ceratocone, com preservação do endotélio do paciente. Também estabeleceu-se o Transplante de Endotélio, quando este se encontrar doente, sobretudo na Ceratopatia Bolhosa Pseudofácica e na Distrofia de Córnea – Fuchs.

O objetivo principal do Transplante Endotelial de Córnea é evitar a remoção total da córnea, trocando apenas a parte interna (endotélio e descemet) que está comprometida. O Endotélio corneano é a camada interna da córnea (película transparente anterior do olho) responsável pela transparência desta.

Normalmente as células do endotélio humano não proliferam. Devido a esta falta de capacidade proliferativa, o tratamento mais comumente preconizado nos casos de disfunção endotelial com perda de transparência da córnea é a ceratoplastia penetrante, também conhecido como Transplante Penetrante de Córnea. Esta técnica, realizada com o olho aberto, tem como desvantagem maior risco de complicação intraoperatória, maior chance de rejeição ou infecção e pode induzir astigmatismo alto e irregular comprometendo a qualidade visual final.

A principal vantagem desta nova técnica está no tempo de recuperação visual, que é muito mais rápido quando comparado ao Transplante Penetrante de Córnea, em torno de 6-12 meses e no DSAEK e DMEK apenas 1-3 meses.

A sigla DSAEK do inglês Descemet Stripping Automated Endothelial Keratoplasty e a sigla DMEK do inglês Descemet Membrane Endothelial Keratoplasty, representam as duas técnicas mais modernas de Transplante de Endotélio sem sutura atualmente.

Como esta técnica deixa uma interface melhor entre córnea do paciente e a córnea doadora, verificamos uma melhora significativa dos resultados visuais, tornando-se assim o método preferido no Instituto de Oftalmologia do Rio de Janeiro – IORJ no  tratamento para a Distrofia de Córnea – Fuchs e Ceratopatia Bolhosa em  Pseudofácicos.

Na verdade, não é recomendado o Transplante Penetrante de Córnea padrão para a disfunção endotelial a menos que haja no estroma cicatrizes significativas ou outras contra indicações de outras doenças oculares prévias.

Outra publicação importante do nosso grupo, foi o estudo: “Optimization of Intraocular Lens Constant Improves Refractive Outcomes in Combined Endothelial Keratoplasty and Cataract Surgery”, na revista médica da Academia Americana de Oftalmologia (AAO – Ophthalmology). Neste estudo, o Dr. Gustavo Bonfadini descreveu a melhoria dos resultados refrativos de pacientes submetidos à Cirurgia de Catarata na mesma cirurgia do Transplante Endotelial de Córnea (DSAEK) em pacientes portadores de Distrofia Endotelial de Fuchs.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Transplante de Córnea à Laser

Transplante de córnea realizado por um Laser com pulsos de energia de curta duração e altíssima velocidade (Femtosegundo).

Observou-se uma importante evolução nos lasers de femtossegundo, o que se reflete na taxa de repetição, no controle da energia e na capacidade de programar cortes de forma mais versátil na córnea, permitindo maior precisão na incisão corneana, pois utiliza o laser ao invés de lâminas, e aumenta a segurança do procedimento.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares

Recomendamos ...