Páginas

sexta-feira, 15 de abril de 2016

Que condições podem estar associadas com o ceratocone?


Existe uma relação bem definida entre atopia (alergia) e ceratocone. A prevalência de doenças alérgicas como a asma, eczema, ceratoconjuntivite atópica (Alergia Ocular) é maior em pacientes com Ceratocone do que em pessoas sem Ceratocone.  

Pacientes com alergia muitas vezes são incomodados por coceira ocular, e quando possuem ceratocone e não são tratados adequadamente da alergia e nem orientados sobre o risco de coçar muito os olhos, estes pacientes podem ter uma piora da visão decorrente do ato constante de coçar os ollhos.

Existe uma associação entre a síndrome de Down e Ceratocone. Aproximadamente 5% dos pacientes com síndrome de Down apresentam sinais clínicos clássicos de ceratocone. A incidência de hidropisia aguda, condição em que a córnea fica opaca e causa dor na fase aguda, ocorre mais em pacientes com síndrome de Down.

Há relatos na literatura médica de uma associação entre o ceratocone, prolapso da válvula mitral e hipermobilidade articular. A relação entre as várias doenças do tecido conjuntivo e ceratocone sugere um defeito comum na produção do colágeno (síntese do tecido conjuntivo).

sexta-feira, 1 de abril de 2016

Qual é a causa do ceratocone?


O trauma contínuo representa o maior fator de risco para piora da doença. Com isso deve ser proibido coçar os olhos. O tratamento de alergias e a otimização da superfície ocular e tratamento do Olho Seco devem ser feitos em conjunto.  

 O Ceratocone é uma doença hereditária, não-inflamatória progressiva do olho na qual mudanças estruturais na córnea (que alteram sua biomecânica – resistência e elasticidade) a tornam mais fina e modificam sua curvatura normal (praticamente esférica) para um formato mais cônico. Este fenômeno de protrusão da área corneana afinada é chamado de ectasia (distensão) da córnea. Trata-se da distrofia mais comum da córnea, afetando 1 pessoa em cada 20.000, parecendo ocorrer em populações em todo o mundo, embora alguns grupos étnicos apresentam uma prevalência maior que outros. Costuma aparecer na adolescência e progredir até os 30-45 anos de vida, quando então estabiliza-se. Várias alterações bioquímicas foram documentadas em córneas de pacientes com ceratocone, incluindo o teor de colágeno reduzido, redução ou alteração nas moléculas de queratina, redução da quantidade de proteína total, e um aumento da atividade de degradação do colágeno associada a níveis reduzidos de inibidor de metaloproteinase de matriz da córnea. Coçar os olhos tem sido apontada como uma causa importante do ceratocone. Quando perguntado, pacientes com Ceratocone freqüentemente admitem coçar os olhos em excesso.

terça-feira, 15 de março de 2016

Sintomas do Ceratocone


Os sintomas apresentados pelo paciente com Ceratocone no início da doença são desconforto visual, dor de cabeça, fotofobia, baixa da acuidade visual e troca freqüente das lentes dos óculos. Nas fases mais adiantadas a correção visual com óculos já não resolve e as lentes de contato passam a ser a opção para correção da visão. Entretanto a tolerância às lentes é baixa e a adaptação às mesmas é difícil e às vezes, impossível.

O Ceratocone tem associação freqüente com alergia e o prurido ocular pode ser o gatilho que desencadeia a doença. Em geral, quanto mais precoce o aparecimento da doença, pior o prognóstico. Até há poucos anos o tratamento do Ceratocone consistia na prescrição de óculos ou lentes de contato e quando estes métodos não mais surtiam efeito, o Transplante de Córnea era a única solução possível. Atualmente, com o surgimento do “Cross-Link” do colágeno de córnea e do implante de Anéis Intra-corneanos (Kerarings ®, Anel de Ferrara ® ou Intacs ®), é possível recuperar estes pacientes ainda nas fases iniciais, postergando ou eliminando a necessidade do Transplante de Córnea

O Ceratocone provoca afinamento e deformação da córnea, tornando-a pontuda em formato de cone, gerando diminuição da visão e distorção das imagens, por isso, muitas vezes é diagnosticado erroneamente como miopia ou astigmatismo irregular (distorção da imagem causada pela alteração da curvatura normal da córnea). É uma doença de evolução lenta, geralmente bilateral e de causa desconhecida, que se inicia entre 10 e 22 anos de idade, evoluindo até 35 a 40 anos.
Por isso, ao verificar estes sintomas, o oftalmologista deve solicitar exame de imagem como a Topografia de córnea, (direcionar para a página dos exames, com o cursor na altura do exame: topografia de córnea) que irá fornecer informações adicionais, ajudando em um diagnóstico mais preciso. O diagnóstico inicial vai ser acompanhado da necessidade de usar óculos. Num segundo momento, quando os óculos já não corrigem suficientemente, passa-se para o uso de lentes de contato rígidas.  
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares

Recomendamos ...